Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 01 - Padre poeta Daniel Lima

Daniel Lima (foto: Cepe/Divulgação - interferido por Mirdad)


"Nada aprendi na vida
senão esta lição:
que sou provisório e de passagem"


"Muitas vezes só alcanço a alma
da verdade dando-lhe o corpo e
a forma do absurdo"


"Porque tudo compreende,
o amor tudo aceita.

E, por tudo aceitar, o amor encontra,
naquilo que o define,
a sua perdição.

Porque compreende, aceita.
Por aceitar, destrói-se.

Como te salvarei, amor,
dessa contradição?"


"A recordação de tudo o que foi antes.
A ansiosa certeza do que virá depois.

E, no meio, estrangulado,
o impercebido agora,
o único que é vida.

Esta, a essência do ser, do tempo feito,
tempo que o torna êxtase e agonia"


"Para amar o Brasil
é preciso paciência,
aquela doce e amável,
aquela burra paciência
que nos faz suportar o patriotismo idiota
dos que amam a bandeira e o hino
mais que o povo,
dos que adoram os símbolos e traem a realidade

Para amar o Brasil
só com muita paciência.
E muita imaginação"


Daniel Lima
(2011/Cepe)

"Metida nesta espelunca
de um corpo errado e malfeito
que a mágoa pisa e trunca
minha alma é toda sem jeito
alma só de raro em nunca"


"A vida nunca é inteira,
só se dá aos pedaços.
Nunca se vive tudo.
Nunca se vive todo.

A vida é sempre quase"


"Toda viagem que faço,
longe embora, é sempre assim:
se me afasto, em cada passo
mais me vejo e me embaraço,
vou sempre esbarrar em mim"


"Não desejo que ninguém se lembre de mim
como de um indivíduo cheio de utilidade
como de uma chave de fenda
um abridor de garrafas, um desentupidor de pias,
uma panela de pressão ou um rolo de papel higiênico

Quero ir adiante, na inutilidade do amor de que sou feito,
fiel à substância da vida, que é dom de todo gratuito,
que vale unicamente pelo que é,
na singeleza de sua realidade nua"


"D.Quixote era louco.
Foi à luta e perdeu.

Se houvesse ganho,
os poetas do mundo inteiro
estariam perdidos"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…