Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Parte 03 - Padre poeta Daniel Lima

Daniel Lima (foto: Cepe/Divulgação - interferido por Mirdad)


"Não é o mar que amo,
é o infinito que ele sugere,
são as paixões que lembra
é a força que suscita
- é isto que amo no mar,
não o mar, mas o que ele representa,
a paisagem interior aonde ele aponta,
o mar em mim, as águas reprimidas
no coração mais dentro"


"O morto está só.
Está sozinho o morto.

Os que o cercam
sentem essa distância intransponível.
O morto não sente nada,
já não lhe dói a vida.
E essa carência de toda dor possível
é a solidão maior.

Os vivos que o velam
olham com disfarçado temor
seus olhos de pálpebras cerradas,
suas cruzadas mãos, seu rosto pálido,
sua gelada ausência tão bem posta,
sua solidão.
E é disto que eles têm medo"


"Não sei se poderemos suportar a visão da
verdade e a face das coisas
quando cair o último véu que lhes oculta o
segredo.

Pelo menos se as palavras envolvessem a nudez
dessas realidades tão duras,
poderíamos dormir ainda à chegada da noite.

Mas ninguém fechará os olhos à misericórdia
do sono
na hora da revelação definitiva.

Ninguém poderá suportar o próprio rosto
agora visto sozinho e nu, um rosto único e
implacável
sem mais olhos e risos a escondê-lo.

Apenas resistirá o rosto verdadeiro
que se cobriu para sempre
das obscuras lágrimas"


"Minha alma é periódica
funciona algumas vezes na semana
e é palúdica, tem febre às quintas-feiras.

Tenho também um corpo que, coitado,
a hospeda por dever, mas constrangido.

Alma de fluido feita e de bagaço
e doses de paixões malresolvidas
e orgulho e frustrações,
o diabo a quatro.

Com cuidado mandei analisá-la
e descobriram, encantados, que era feita
de santidade e feijão, música e merda"


Daniel Lima 
(2011/Cepe)

"Como suportaria os rudes golpes da vida,
se em mim a cicatriz não precedesse a ferida?
Se as águas dos meus mares
não fechassem em instantes
o corte que lhe fazem
os navios que as singram noite e dia?

Às vezes antes, outras vezes
no instante do sofrer
a vida em mim responde
e faz-se cicatriz antecipada
ou água revolta a se fechar no instante
ou apenas também
a submersa dor, tornada espuma"


"Não sei se me pertenço.
Talvez seja antes pertencido
pelas coisas que tenho ou que conheço,
ou mais ainda pelas que ignoro,
ou as que sofro, ou as que amo,
o meu mundo, o meu ser.
Talvez que a minha liberdade
não passe de um destino disfarçado"


"E de olhos fechados
vejo que brilha em mim
entre clarões metálicos
o mistério maior de minha noite"


"Meus olhos
desesperadamente pessoais
puxam de longe no tempo
o menino que fui
e se perdeu na festa,
vendo os palhaços do circo
e os cantadores de feira
e os mágicos mestres de ilusões.

E o menino retorna envelhecido
e traz consigo
os palhaços do circo
e os cantadores de feira
e os mágicos mestres de ilusões
para seus olhos de agora
desesperadamente pessoais"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…