Pular para o conteúdo principal

Composições de Mirdad: Dubious Question - The Orange Poem


A função desta canção de Emmanuel Mirdad era permitir que a improvisação e a experimentação da Orange Poem corressem soltas; a banda nunca a tocou de uma mesma forma. Destaque para o solo de bateria de Hosano Lima Jr., a cama múltipla de efeitos dos guitarristas Fábio Vilas-Boas e Zanom, o solo de violão reverso do convidado Rajasí Vasconcelos, primeiro baixista laranja, e a interpretação nervosa a la Motörhead do vocalista Teago Oliveira. O poema é uma homenagem a dezessete músicas do Pink Floyd - conheça aqui quais são as canções floydianas homenageadas. Para ouvir "Dubious Question", basta clicar no botão laranja de "play" abaixo. Acompanhe The Orange Poem aqui.


Não consegue visualizar o player do Soundcloud? Ouça aqui



Não consegue visualizar o player? Ouça no YouTube aqui


Dubious Question
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-14-00019

What would the diamond be without Syd,
and the dogs without the stranger at home?
What would the paranoid be without the crowd,
and the fear without the modern life?

Hey! Dubious entwined poppies
Hey! Dubious permanent gaze

What would the haunted be without the leaden sky,
and the hunger without desire and ambition?
What would the stairway be without the icy waters underground,
and the watcher without the darkness?

Hey! Dubious misty morning
Hey! Dubious endless summer

What would the lunatic be without the rabbit,
and the price without the proud men's conscience?
What would the labyrinths be without the echoes,
and the warm night without the distant bells?

Hey! Dubious Dr. Strange
Hey! Dubious breeze's eye

What would be completed without the lack,
and who would be saved without someone to love him?
Perhaps no one would come without any one leaving,
and at dubious illusions the fool emerges...

Hey! Dubious psychedelic question


Faixa 03 - EP Crowd (2014) | Composta e Produzida por Emmanuel Mirdad | Teago Oliveira - voz, backing vocal e grito | Hosano Lima Jr. - bateria | Marcus Zanom - guitarra | Fábio Vilas-Boas - guitarra | Artur Paranhos - baixo | Mirdad - grito | Participação especial: Rajasí Vasconcelos - backing vocal e solo violão reverso | Gravado, mixado e masterizado por Tadeu Mascarenhas no Casa das Máquinas, Salvador-BA | Encarte: Glauber Guimarães


Composta por Emmanuel Mirdad em 11/06/2014, original de fevereiro de 2001.

A melodia é original da canção "Osmose em Mão Dupla", de Emmanuel Mirdad, composta em novembro de 1997.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Melhores do jornal Rascunho #209

A multiplicidade da leveza e do riso Milan Kundera é capaz de unir em sua ficção ensaio irônico, narrativa, fragmentos autobiográficos, fatos históricos, arroubos de fantasia [Vivian Schlesinger] Leia aqui
-----

Resgatando obras Jamil Snege e a potência lírica de "O jardim, a tempestade" [Nelson de Oliveira] Leia aqui
-----

Clarice no espelho O leitor corre sérios riscos diante do texto de Clarice Lispector [José Castello] Leia aqui
-----

To be or not to be: that is the question (Nova proposta de tradução) [Evando Nascimento] Leia aqui
-----

A forma deformada Os poemas de "A retornada", de Laura Erber, parecem dignificar a experiência traumática [Rafael Zacca] Leia aqui
-----

No jardim das delícias Bissexualidade, preconceito e consciência de classe e de gênero marcam a escrita autobiográfica de Katherine Mansfield [Giselle Porto] Leia aqui