Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Cavalo selvagem, de Eliakin Rufino

Eliakin Rufino (foto: divulgação - interferida por Mirdad)


"toda carta
de amor
é película"


"nosso destino é ser índio
embora todos digam
que nós não somos mais índios
eles pensam que nos educaram
eles acham que nos civilizaram
mas é o contrário

eles nos ensinaram com suas atitudes
que se nós não existíssemos
jamais eles teriam exercitado tanto
seu desejo de matar"


"porque da arte de cantar fiz meu ofício
e me despi das ambições cotidianas
fui posto à parte
na escuridão da margem
...
porque marchei de pé esquerdo
no pelotão dos destros
denunciei a farsa dos fiéis
e a falsidade dos honestos
fui posto à parte
na escuridão da margem
porque povoei de canto
a tecnológica mudez da paisagem"


"de tanto puxarem meu tapete
aprendi a pilotar
tapetes voadores"


"a certeza da morte não assusta
o que virá depois não me faz medo
quero a vida na medida justa
do tamanho do mistério e do segredo
...
a certeza de saber que morrerei
faz a minha vida mais feliz"


"O que é perfeito está morto
Eu quero o falho
O feio
O torto

Quero os pecados da alma
E as imperfeições
Do corpo

Se a pressa
É inimiga da perfeição
É amiga da mudança"


"escasseia a caça
índios morrem
a estrada passa"


Eliakin Rufino
(Valer/2011)


"mostrou o livro pro índio e disse:
eu sou o emissário
o enviado divino

é neste livro que está
teu plano de salvação
a porta do céu é estreita
mas para o inferno há muitas portas

o índio após meditar
disse por fim sabiamente:
aqui não cremos no inferno
e nosso céu não tem portas
essas letrinhas miúdas
pra nós são formigas mortas"


"minha vó me chamou
curumim venha cá
...
não vá esquecer
essa tribo é um rio
o destino é correr

curumim essa terra
nunca nos pertenceu
não é de ninguém
não tem dono nem deus"


"embora polua
a chaminé
tem o seu encanto"


"se não fosse esse mosquito
a floresta virava palha
...
o maior ecologista da amazônia
é o mosquito da malária"


"Depois de percorrer o mapa-múndi
Depois de viver os anos do desbunde
Depois do amor livre e da política das rosas
Depois das vertigens e das rebordosas

Mel agora só se for de abelha
Amor agora só se der prazer
Cobertor só se for de orelha
Pó - só mesmo o pode crer"


"repouso no travesseiro
a cabeça erguida
pelos projetos da vida"


"não aprendi a prudência
que a fábula ensinava
não queria ser formiga
eu queria ser cigarra"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…