Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2016

Seis passagens de Otto Lara Resende no livro As pompas do mundo

Otto Lara Resende (foto daqui)

"— Como é mesmo que eu durmo? — queria saber qual a posição que habitualmente tomava para dormir. A postura que usava no sono, insabida. Probleminha idiota, mas que o desorganizava mentalmente e súbito o lançava numa aflita perplexidade física. Deste lado: não era. Virou-se do outro lado: também não era. Estendeu as costas: as mãos sobravam, os braços não se incorporavam à rotina. Como distribuir o corpo na cama? Cruzou os braços no peito e sentiu-se estranho, ridículo. Cruzou as mãos e pareceu sinistro, fúnebre. Era como se antecipasse o defunto que não queria ser. Angustiante ideia da morte. (...) Ajeitou o travesseiro, a cabeça alta demais. Afastou o travesseiro e enfiou a cara no colchão como se procurasse com alívio uma forma de sufocação. Insustentável, esticou as pernas e dividiu-se em dois. Recolheu as pernas, dobrou os joelhos, mas ainda assim não conseguiu retomar a naturalidade. Buscava um ponto de equilíbrio e não o achava. (...) De barr…

Crítica do livro O grito do mar na noite no jornal Rascunho

Crítica do meu livro de contos O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015) em destaque no Jornal Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza.

Salve a imagem acima (ou abaixo) e amplie para ler.

Disponível para leitura no site do jornal aqui


Cinco passagens de Lima Barreto no livro Melhores contos

Lima Barreto (foto daqui)

"(...) Os burgueses não se erguem da terra; não escalam o céu. Isso é coisa para titãs... A nossa plutocracia, como a de todos os países, perdeu a única justificação da sua existência como alta classe, mais ou menos viciosa e privilegiada, que era a de educadora das massas, propulsoras do seu alevantamento moral, artístico e social. Nada sabe fazer de acordo com o país, nem inspirar que se faça. Ela copia os hábitos e opiniões uns dos outros, amontoa-se num lugar só (...) Encarando a burguesia atual de todo o gênero, os recursos e privilégios de que dispõe, como sendo unicamente meios de alcançar fáceis prazeres e baixas satisfações pessoais, e não se compenetrando ela de ter, para com os outros, deveres de todas as espécies falseia a sua missão e provoca a sua morte. (...)"


"(...) A religião da morte precede todas e certamente será a última a morrer nas consciências."


"Mesmo os nossos poetas mais velhos nunca entenderam a nossa veget…

O grito do mar na noite no jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Jornal Rascunho de abril, por Clayton de Souza.

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto: Cortesia da Lilian Comunica.

Foto do autor: Sarah Fernandes.