Pular para o conteúdo principal

A carta da avó Josepha


18 de julho é especial pra mim. É quando comecei a compor (1997), o marco de quanto tempo de música tenho. É também a estreia de um evento produzido por mim (2004), o dia da gravação da poderosa voz de floresta do precioso Mateus Aleluia no blues Cuts (2014) e o aniversário de Madiba, o mestre Mandela (1918).

Como se não bastasse, nessa semana em que o 18 de julho lançou a Flica 2017, a minha mãe me aparece com essa surpresa: a cópia de uma carta da minha avó Josepha, mãe do meu pai Ildegardo (ambos falecidos), escrita no dia 18 de julho de 1972, 45 anos atrás, em que ela celebra a dádiva de ser mãe - teve o seu primeiro filho, o meu fabuloso tio Zé Rosa (caso estivesse vivo, faria 90 anos), neste décimo-oitavo dia de julho, em 1927.

Fiquei muito emocionado. E ainda descobri o motivo do meu pai assinar I.R.S. às vezes.

"
Salv. 18 de Julho de 1972!

Graças a vós meu Deus e criador! Agradeço porque foi neste dia do ano de 1927 que recebi a dádiva divina, sublime e difícil de ser cumprida. Ser mãe! O que é ser mãe? É saber ser humilde, caridosa, sempre amar e perdoar. Pois às vezes somos julgadas por aquilo que não fazemos. Ser esquecida e nunca esquecer. Pergunto: mais como podemos esquecer de um filho? Pois se eles são células da nossa vida.

Bendita seja a mãe que sempre sabe amar e nunca odiar. Hoje, 45 anos que meu Deus me fez a criatura mais feliz neste planeta, não sei se soube ser uma mãe perfeita, mas, humildemente, a Vós meu Deus peço (que) ame, proteja, ilumine e conserve a centelha da vossa luz dentro de cada coração dos meus queridos filhos.

Agradeço com todo amor e respeito por me ter concedido esta graça (de) ser mãe.

J.R.S.
(Josepha Rosa Santos)
"

Que dia, meus amigos, que dia! Viva 18 de julho!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…