Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

Nostalgia da Lama no Jornal A Tarde

Nostalgia da Lama no jornal A Tarde de 31/05/2014 

O lançamento do meu livro de poemas Nostalgia da Lama (Cousa/2014) em destaque no jornal A Tarde de hoje, 31/05/2014, em uma matéria muito legal da jornalista Mariana Paiva. Hoje é o dia do lançamento e será das 16h às 19h na RV Cultura e Arte, info aqui.
Aproveite e veja a matéria no programa de TV Mosaico Baianoaqui e no jornal Correioaqui.

Matéria ampliada do A Tarde de 31/05/2014 uma honra pra mim que foi feita pela poetisa Mariana!

Versão digital da matéria

Pílulas: Parte 01 - Memórias, de Nelson Rodrigues

Nelson Gonçalves (foto: Divulgação - interferida por Mirdad)

"Minha família morava diante do mar. Mas o mar, antes de ser paisagem e som, antes de ser concha, antes de ser espuma – o mar foi cheiro. Há ainda um cavalo na minha infância profunda. Mas também o cavalo foi cheiro. Antes de ser uma figura plástica, elástica, com espuma na ventas – o cavalo foi aroma como o mar"


"Se as novas gerações me perguntassem o que era "A vida como ela é...", diria: – "Era sempre a história de uma infiel." Apenas isso. E o leitor era um fascinado. Comprava a Última Hora para conhecer a adúltera do dia. Claro que, na minha coluna, também os homens traíam. Mas o que o público exigia era mesmo a infidelidade feminina. Quando saí da Última Hora, e acabei "A vida como ela é...", o telefone não parava. Homens e mulheres queriam saber se não ia sair mais e por quê. Dir-se-ia que o problema do brasileiro é um só: – ser ou não ser traído"


"O que dá ao hom…

Nostalgia da Lama no Jornal Correio

Nostalgia da Lama no jornal Correio de 27/05/2014 


O lançamento do livro de poemas Nostalgia da Lama (Cousa/2014) em destaque no jornal Correio de hoje, 27/05/2014, em uma matéria massa do jornalista Roberto Midlej. Sábado 31/05 a partir das 16h na RV Cultura e Arte, info aqui.

Aproveite e veja a matéria no programa de TV Mosaico Baianoaqui.


Jornal Correio de 27/05/2014 - uma honra pra Mirdad estar ao lado de Graciliano Ramos

Composições de Mirdad: Neither Gods, Nor Devils - The Orange Poem

Flertando com os anos 80, traz uma sonoridade diferente da obra da Orange Poem: um progressivo que mistura U2 com The Cure, além de uma homenagem à surf music de Dick Dale. O poema é um relato de um inconformado, disparando contra a reprodução a esmo ao invés da própria criação, que pede canções ao invés de discursos, propõe matar todos os ícones e soterrar seu legado, e sentencia: não há evolução. Segunda canção do EP Unquiet (lançado em abril de 2014), traz a voz folk do cantor Rodrigo Pinheiro (ex-Besouros do Sertão e atual Mulher Barbada) e uma parede de sintetizadores por Tadeu Mascarenhas. Para ouvir, basta clicar no botão laranja de "play" abaixo. Acompanhe The Orange Poemaqui.


Não consegue visualizar o player do Soundcloud? Ouça aqui



Não consegue visualizar o player? Ouça no YouTube aqui


Neither Gods, Nor Devils
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-14-00006

I ask for songs, instead of speeches
Brothers with no enemies, sex with devotion
Let’s kill all the icons and bury their le…

Nostalgia da Lama no Mosaico Baiano

Panorama da poesia baiana contemporânea pelo programa Mosaico Baiano (24/05/2014), com a presença do poeta Emmanuel Mirdad apresentando o seu 1º livro de poemas, Nostalgia da Lama (Cousa/2014). Filmado pelo celular diretamente da TV. Presença da poetisa Mariana Paiva, do editor Dhan Ribeiro da Kalango, e do presidente da Academia de Letras da Bahia, Aramis Ribeiro Costa.

Portal iBahia destaca o lançamento do Nostalgia da Lama

O lançamento do livro de poemas Nostalgia da Lama (Editora Cousa/2014) em destaque no portal iBahia.com - veja aqui


Destaque no Face do iBahia - 22/05/2014

Destaque no Twitter do iBahia - 22/05/2014

Destaque no Twitter do iBahia - 22/05/2014 - veja aqui

Vamos ouvir: Axé, de Enio

Axé (2014) - Enio
Para ouvir, clique no player laranja abaixo, à esquerda do nome do álbum.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release disponível no site do artista:

"
Enio lança “Axé”

O segundo álbum do artista conta com participações de Saulo, Seu Jorge, Mateus Aleluia, Letieres Leite e Sanbone Pagode Orquestra


Axé, nome do mais novo CD do músico e compositor Enio que será lançado no dia 21 de março, às 19h, no Teatro Eva Herz – Livraria Cultura Salvador Shopping, dialoga com a ancestralidade por sua letra e ritmo, onde representa a essência da Música Popular Brasileira. Para esse trabalho, o artista também faz uso de elementos eletrônicos, rock, soul e referências do pop. Com a influência de gêneros musicais fortes e a experiência de mais de 10 anos de carreira, o cantor foi construindo o repertório do CD que conta com uma lista de participações especiais.

Gravado nos estúdios Ministereo (Rio de Janeiro) e Estúdio T (Salvador), “Axé”, foi produzido por feras, como Jr Tos…

Orange Poem lança o EP Wide na segunda 02 de junho

Nancy Viégas é a voz do novo EP da Orange Poem


O produtor Emmanuel Mirdad continua a série de relançamentos da obra da banda psicodélica progressiva The Orange Poem, repaginados com vozes diversas. O novo EP se chama Wide, e será lançado na segunda 02 de junho, e a grande novidade é que pela primeira vez com a presença de um vocal feminino, da cantora, compositora, produtora e múltipla artista Nancy Viégas (atual Radiola e ex-Crac! e Nancyta e os Grazzers), considerada uma das divas do rock baiano (ao lado de Pitty e Rebeca Matta).

O EP Wide, que foi gravado por Tadeu Mascarenhas no estúdio Casa das Máquinas e tem Glauber Guimarães assinando a bela capa, traz duas composições de Emmanuel Mirdad, o blues "Wideness" e a psicodélica "Lost Mails", e a única música composta até então pela banda, o groove rock "Shining". Foi um desafio para Nancy gravar as músicas, já que o tom delas está numa região bem grave para sua voz, e o resultado surpreende, com a abert…

Marilyn Monroe por Nelson Rodrigues

Marilyn Monroe por Tom Kelley

"Ora, quem se mata tem, automaticamente, o meu amor. E, além disso, prefiro as neuróticas ... Saí do portão, fui comprar cigarros e só pensava na suicida. Na sua adolescência, Marilyn posou nua para uma folhinha. E esse impudor mercenário foi, ao mesmo tempo, de uma fulminante eficácia promocional. Do dia para a noite, ela se tornou célebre: - célebre e nua, célebre porque se despira. Daí para Hollywood, a distância seria um milímetro.

A folhinha correu mundo. Foi desejada em todos os idiomas. Nos botecos de Bombaim, ou do Cairo, ou de Cingapura, os paus-d'água sonhavam com o frescor implacável de sua nudez. Ao mesmo tempo, ela se tornava uma grande atriz ... Tudo espantosamente inútil. Se ela fosse nomeada Rainha da Inglaterra, ou promovida a Madame Curte, ou carregada num andor - daria no mesmo. Nenhuma coroa, nenhuma estrela, nenhum manto - nada a salvaria de sua própria nudez"

Nelson Rodrigues em "Memórias" (Agir/2007)