Pular para o conteúdo principal

Postagens

Crítica do livro Quem se habilita a colorir o vazio? pelo jornalista e escritor Valdeck Almeida de Jesus

Crítica do livro Quem se habilita a colorir o vazio? — Todos os poemas de Emmanuel Mirdad (2017) em destaque no blog do jornalista e escritor Valdeck Almeida de Jesus em 19/10/2017.

Leia no blog Galinha Pulandoaqui

Segue abaixo também:


Por: Valdeck Almeida de Jesus

Este é o título do livro de poemas de Emmanuel Mirdad. A interrogação sugere uma provocação a uma leitura, ou apenas uma questão que o próprio livro utiliza para instigar respostas diversas. Aqui poderia o leitor se deter e tecer considerações as mais variadas. Como leitura é algo muito individual, com caminhos e destinos distintos a cada passada de olho, peguei o primeiro atalho e segui, curioso, por um lado, e tentando ser despretensioso, por outro.

Enfim, comecei na linha do prefácio, segui um a um os textos. Encontrar respostas objetivas é inútil, pois poesia não tem receita, sequer minha interpretação seria a única e acertada. Resolvi fruir, sorver, aproveitar o fluxo e viajar nesse trajeto poético de trezentas e vint…
Postagens recentes

Música para Escrever #06 — Goodbye, Titan; Astralia; Appalaches; iiah e Man Against Mankind

O arquiteto constrói o labirinto. A vida real nos espera – que espere. Surgem dois novos solstícios, no outono e na primavera, a remodelar o suplício do titã que sustenta o mundo, no astral. A montanha gira em círculos. As distâncias se aproximam numa singularidade monstruosa. Confira o sexto post da série Música para Escrever, com os melhores sons de post-rock, a alumiar a mente e transcender em palavras.

Goodbye, Titan Estados Unidos | Desde 2009 Bandcamp aqui Facebook aqui Foto daqui
Melhor disco para escrever
"Daedalus" (2016) Ouça aqui
Para continuar escrevendo
"Real Life Awaits Us" (2012) Ouça aqui
-----------
Astralia Espanha | Desde 2010 Bandcamp aqui Facebook aqui Foto daqui
Melhor disco para escrever
"Atlas" (2014) Ouça aqui
Para continuar escrevendo

"Solstice" (2017) Ouça aqui
"Astralia" (2012) Ouça aqui
-----------
Appalaches Canadá | Desde 2011 Bandcamp aqui Facebook aqui Foto daqui
Melhor disco para escrever
"Mòn" (2014) Ouç…

Origem do título O limbo dos clichês imperdoáveis

Título extraído do conto No palheiro, página 74 do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), de Emmanuel Mirdad.

Esse novo livro reunirá todos os contos de Emmanuel Mirdad, revistos e reformulados, e será publicado neste blog e na fanpage do Facebook, com download gratuito do PDF, assim como foi com o livro Quem se habilita a colorir o vazio?, lançado em 07 de outubro de 2017.

O lançamento de O limbo dos clichês imperdoáveis acontecerá no verão de 2018.

Oito passagens de Cidinha da Silva no livro Sobre-viventes!

Cidinha da Silva - Foto daqui
“A sobrinha da visitante ingenuamente pergunta: ‘Mas, tia, a cozinheira não era a tia Anastácia?’. ‘Era’, responde a tia satisfeita. A menina continua, enquanto folheia o livro: ‘Então, porque o livro de receitas é da D. Benta?’. ‘Boa pergunta’, responde e mira a anfitriã, aguardando algum comentário. (...) A dona do livro sorri amarelo, diz que a garota é muito esperta, ameaça tocar suas tranças. A menina se esquiva do gesto, agradece o que parece ser um elogio e explica que gente estranha não pode colocar a mão na cabeça da gente.”

“A repórter, compungida, transmite à mãe a notícia do roubo. Lágrimas grossas escorrem pelos sulcos do rosto marcado pelo sol e pela dureza no trabalho da roça. A câmera focaliza cada detalhe. A mulher ergue o dedo cabeçudo e anuncia: ‘Eu vou falar uma coisa pra senhora: ele roubou foi de safadeza, colegage, luxúria. Não foi fome, não, senhora, porque fome ele passa desde que nasceu!’”

“Os passantes pareciam estar em choque.…

Mother!, um filme fantástico

Tive vontade de aplaudir de pé quando terminou. Quis gritar: "É isso, cinema é isso!" Uma porrada. Sem concessão. Sem afago. A expôr a desgraça do ser humano, predador, hóspede indesejado, intruso, estranho, a venerar uma suposição ególatra que repete, a cada nascimento, o trágico destino de esbagaçar o planeta, transformar o coração de Gaia em cinzas, para recomeçar tudo de novo, perdido, faminto, violento, fanático.

Ele, com "e" maiúsculo, é poeta. Abusivo. O cão que nada faz, e entrega às hienas o seu filho para ser despedaçado e devorado pela turba em transe, fé ignorante.

Bravo, Darren Aronofsky (diretor e roteirista), um milhão de vezes bravo! Mother! (Mãe!, 2017) é o melhor filme que vi em 2017. Disparado! Ácido e lindo, que direção de arte e fotografia! Que roteiro, que roteiro! PQP! FODA! Estou em êxtase. Arte, pura arte! ESFREGUEM esse filme na cara dos caretas. Na cara de todos!

Bravo, Javier Bardem, que atuação, que atuação! Mais uma vez (depois da &qu…

Cinco passagens de Cidinha da Silva no livro Os nove pentes d’África

Cidinha da Silva - Foto daqui
“As histórias dos pentes dormitavam na parte ornamental e na magia de pentear os cabelos, desembaraçá-los, trançá-los novamente, sentados entre as pernas das trançadeiras, tias Neusa ou Dinda, e vó Berna. O vô mantinha-se sempre atento aos desenhos que iam surgindo e a nós que íamos aprendendo a trançar. São imagens felizes da nossa infância. Juntos, desenrolávamos os enredos. Histórias contadas pelos mais velhos, outras inventadas por nós, as crianças, a partir de brincadeiras e memórias, ancestrais, até, como dizia com seriedade o vô. ‘Ancestralidade, os novos também tinham’, ele explicava para responder ao nosso estranhamento de criança frente àquela palavra do mundo dos velhos.”

“Ele construiu uma série de escudos com uma riqueza impressionante de particularidades, adquirida por um empresário da ilha de Kuanza, em Angola. Neles, esculpiu as guerras de libertação dos países africanos no século XX. Quando o comprador, extasiado, indagou porque ele não e…

Download free do livro “Quem se habilita a colorir o vazio? — Todos os poemas de Emmanuel Mirdad”

Quem se habilita a colorir o vazio? — Todos os poemas de Emmanuel Mirdad” é um livro virtual, editado pelo próprio autor e disponibilizado em posts do seu blog (veja aqui) e em fotos da página de escritor no Facebook (veja aqui). São 200 poemas, a compreender o período de 1996 a 2017 da produção poética de Emmanuel Mirdad.

Faça o download gratuito do PDF da obra clicando aqui

Vai abrir a tela abaixo, basta clicar no botão verde indicado pela seta vermelha: