Pular para o conteúdo principal

Postagens

Conto Despedaço, de Emmanuel Mirdad, no caderno Tribuna Cultural, do jornal Tribuna Feirense

O conto “Despedaço”, de Emmanuel Mirdad, foi publicado na edição impressa desse mês do jornal Tribuna Feirense (datada de 30 de novembro de 2017), no caderno Tribuna Cultural (nº 182), a convite da jornalista e editora do impresso Ísis Moraes (a obra que ilustra é “Auto-retratos”, de Leonel Mattos, e a foto do autor é de Sarah Fernandes).

Despedaço” faz parte do livro “Olhos abertos no escuro”, lançado pela editora baiana Via Litterarum em 2016. Leia na íntegra abaixo (a imagem está em alta resolução – basta fazer o download e ampliar).


Despedaço”, assim como outros, será revisado e fará parte do livro “O limbo dos clichês imperdoáveis”, com todos os contos de Emmanuel Mirdad, a ser lançado virtualmente no primeiro semestre de 2018, gratuitamente, neste blog e no Facebook.
Postagens recentes

Oito passagens de Margaret Atwood no romance O conto da aia

Margaret Atwood (foto daqui)

“Eu costumava pensar em meu corpo como um instrumento de prazer, ou um meio de transporte, ou um implemento para a realização de minha vontade. Eu podia usá-lo para correr, para apertar botões, deste ou daquele tipo, fazer coisas acontecerem. Havia limites, mas meu corpo era, apesar disso, flexível, único, sólido, parte de mim. (...) Agora a carne se arruma de maneira diferente, sou uma nuvem, congelada ao redor de um objeto central, com o formato de uma pera, que é duro e mais real do que eu e que incandesce vermelho dentro de seu invólucro translúcido. Dentro dele está um espaço, imenso como o céu à noite e curvo como ele, embora negro-avermelhado em vez de negro. Pontos infinitesimais de luz incham, chispam, explodem e murcham dentro dele, incontáveis como estrelas. Todo mês há uma lua, gigantesca, redonda, pesada, um augúrio. Ela transita, se detém, segue em frente e passa, desaparece de vista, e eu vejo o desespero vindo em minha direção como uma gran…

Fotografias de Jason M. Peterson

Música para Escrever 2017

50 bandas/artistas selecionados em 2017. Descritivo no final do post.
Escrevi o meu primeiro romance, “Miwa”, ao som dos islandeses do Sigur Rós. Escrevi o meu livro de contos “Olhos abertos no escuro” ao som do duo norte-americano Hammock. Considero o gênero post-rock (e o ambient) a melhor trilha sonora para escrever. Tive essas duas experiências maravilhosas e continuarei a escrever embalado pelo som que me faz ir além, mergulhado no universo de dentro e ao redor.

De setembro a dezembro de 2017, compilei o melhor do post-rock para escrever que peneirei na internet, via os canais no YouTubeWorldhaspostrockWherepostrockdwells9eCn3 e In The Woods, além das páginas das bandas no Bandcamp.

Foram 10 posts, divulgando o trabalho de 50 bandas e 104 discos (entre álbuns, EPs e um single).

Peneirei atrações de 26 países: Estados Unidos (09 atrações), Inglaterra (04), Suíça (03), Austrália (03), Suécia (03), Hungria (03), Canadá (02), Polônia (02), Escócia (02), Alemanha (02), Espanha (02…

Fotografias de Chrissie White

Awakening The Spirit

Dreams

Awakening The Spirit

Dreams

Portrait Of A Quiet Girl

Painted Self: My Relationship With Color

Awakening The Spirit

Chrissie White, fotógrafa de arte, comercial e editorial norte-americana.
Site aqui | Facebook aqui | Instagram aqui Dica da Libellule

Fotografias de ⁂ anna malina ⁂

anna malina (1984- ), fotógrafa e artista visual alemã.

New Constellations

MAMIYA

o

the infectious blackness

instant

***

22km

he made me do this

laser dreams

insecticide II

bodyscapes

Site aqui | Facebook aqui | Instagram aqui | Dica da Libellule

Melhores do jornal Rascunho #211

O início do fim O pior inimigo da arte é a preguiça mental da plateia? [Nelson de Oliveira] Leia aqui
----

Na abertura da Bienal do Livro de Pernambuco O discurso que deveria ter sido lido, mas que uma presença incômoda não permitiu. [Fernando Monteiro] Leia aqui
----

Permanecer vivo: um método O sofrimento é o caminho possível ao poeta — este parasita sagrado. [Michel Houellebecq] Leia aqui
----

O homem de barro Conto inédito de Krishna Monteiro. [Krishna Monteiro] Leia aqui
----

Varo, essa alquimista A espanhola Remedios Varo encontrou no México a sua morada e refúgio. [Tércia Montenegro] Leia aqui
----

Ambição e morte Tolstói não nos poupa com adornos, ou adjetivos desnecessários. [José Castello] Leia aqui
----

Tempos difíceis Conto inédito de Luís Pimentel. [Luís Pimentel] Leia aqui
----

Ainda atual Passados 500 anos, "Utopia", de Thomas More, resiste para além de um delírio ideológico. [Clayton de Souza] Leia aqui