Pular para o conteúdo principal

Produções de Emmanuel Mirdad (1999 a 2014)


O produtor cultural Emmanuel Mirdad começou a sua carreira em setembro de 1999, produzindo a gravação do primeiro álbum com suas composições. Depois, produziu a banda The Orange Poem, gravações e shows de lançamento de CDs de outros artistas, duas edições do Prêmio Bahia de Todos os Rocks, festivais, eventos e o seu projeto mais importante, a Flica. Atuou brevemente como agente de shows e produtor executivo, e partiu para o empreendedorismo, sendo sócio e diretor de três empresas: Putzgrillo Cultura (2008), Mirdad - Gestão em Cultura (2013) e Cali (2013) — sua atual empresa. É especializado na concepção e elaboração de projetos culturais, formatação e captação via leis de incentivo, editais e mercado, experiência e know-how de tramitação junto aos órgãos públicos, contratação e coordenação de serviços e fornecedores, atrações e equipe profissional para a realização de todas as etapas dos projetos em execução. Conheça mais sobre o produtor nessa longa entrevista aqui.


[ 2014 ]
Conheça aqui
4ª edição da Flica, EPs e disco duplo da Orange Poem, livro Nostalgia da lama e single A Mendiga e Eu com a banda Quarteto de Cinco.


[ 2013 ]
Conheça aqui
3ª edição da Flica, conclusão do projeto do romance Os encantos do sol de Mayrant Gallo, abertura das empresas Mirdad - Gestão em Cultura e Cali.


[ 2012 ]
Conheça aqui
2ª edição da Flica, Música no Cinema, Santo Antônio Jazz Festival, Recôncavo Jazz Festival, elaboração do projeto de gravação do 2º álbum de Tiganá Santana.



[ 2011 ]
Conheça aqui
1ª edição da Flica, Festival Brainstorm e show de lançamento do álbum Beira, de Luiz Brasil.


[ 2010 ]
Conheça aqui
2ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks, show de lançamento de Tiganá Santana, gravação de Mou Brasil, festival da Educadora FM e Festival de Reggae no Pelô.


[ 2009 ]
Conheça aqui
Gravação de Maçalê de Tiganá Santana, festival da Educadora FM, exposição sobre o rock baiano, show de lançamento do DVD Bogary da Cascadura.


[ 2008 ]
Conheça aqui
1ª edição do Prêmio Bahia de Todos os Rocks, abertura da empresa Putzgrillo Cultura, gravação do EP ID e do álbum Universo Telecoteco da Pedradura.


[ 2007 ]
Conheça aqui
Produção do Troféu Caymmi e trabalho como produtor executivo na produtora Plataforma de Lançamento.



[ 2006 ]
Conheça aqui
Gravação de Sleep in Snow Shape da Orange Poem e do CD poema Ilusionador, com poemas de Ildegardo Rosa, TCC em Comunicação/Jornalismo na Facom/Ufba.


[ 2005 ]
Conheça aqui
Gravação de Shining Life, Confuse World da Orange Poem e programação das noites do World Bar e do Tangolomango Bar (agente de shows de bandas).


[ 2004 ]
Conheça aqui
Produção da banda Orange Poem, da série de shows Agente Laranja Gueto Cultural e da programação das noites do Tangolomango Bar .


[ 1999 a 2003 ]
Conheça aqui
Gravação do álbum O Primeiro Equilíbrio do Pássaros de Libra e produção da  banda de rock progressivo psicodélico Orange Poem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Melhores do jornal Rascunho #209

A multiplicidade da leveza e do riso Milan Kundera é capaz de unir em sua ficção ensaio irônico, narrativa, fragmentos autobiográficos, fatos históricos, arroubos de fantasia [Vivian Schlesinger] Leia aqui
-----

Resgatando obras Jamil Snege e a potência lírica de "O jardim, a tempestade" [Nelson de Oliveira] Leia aqui
-----

Clarice no espelho O leitor corre sérios riscos diante do texto de Clarice Lispector [José Castello] Leia aqui
-----

To be or not to be: that is the question (Nova proposta de tradução) [Evando Nascimento] Leia aqui
-----

A forma deformada Os poemas de "A retornada", de Laura Erber, parecem dignificar a experiência traumática [Rafael Zacca] Leia aqui
-----

No jardim das delícias Bissexualidade, preconceito e consciência de classe e de gênero marcam a escrita autobiográfica de Katherine Mansfield [Giselle Porto] Leia aqui