Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Recordações de andar exausto, de Mayrant Gallo

 
Mayrant Gallo (foto: Ricardo Prado - interferida por Mirdad)


Mayrant Gallo é um dos escritores que mais admiro. Mais que isso, é um crânio soberbo, pensador e pesquisador das artes, um tera-HD repleto de cultura e memória. E a cada instante que a roda da vida permite um encontro, usufruo ao máximo, um confesso e declarado humilde discípulo. Sou grato à sorte por ter acesso a esses gênios de fato. E não são poucos. Queria poder uni-los, a pensar e gargalhar sobre essa existência tão escorregadia.

Abaixo, seguem as pílulas do livro de poemas Recordações de Andar Exausto (Aboio Livre/2005), de Mayrant Gallo.


"O lado vazio da cama
É a presença humana
Que mais atemoriza"

(pg. 78)

------

"queremos certeza
e o que temos são estrelas
por sobre a cabeça"

(pg. 71)

------

"Todos meus poemas
Não mais me pertencem.
São de quem os sente"

(pg. 37)

------

"A memória falta. E que falte.
É uma sorte. Minha, sua,
De todos. E que um dia
Cheguemos a desconhecer
Uns aos outros"

(pg. 91)

------

"Que pus eu nesta vida,
Senão livros que um dia,
Outro dia,
Ninguém lerá?"

(pg. 61)

------

"A vida nos frustra,
E não há fuga.

Nenhuma"

(pg. 11)

------

"Sua calça jeans estalava
Quando ela se sentava.

(...)

Um dia dois caras brigaram
Por causa de suas axilas...

Eles estão mortos.
Ela viva"

(pg. 95)

------

"Um minuto de poesia
Não bastaria
Para o mundo.

Mas se o mundo parasse
Um minuto
Bastaria um segundo"

(pg. 33)


Recordações de andar exausto
Mayrant Gallo
(Aboio Livre/2005)

"Uma menina disse, mais tarde:
- Salvem-me...
Mas ninguém entre os homens
Quis salvá-la...

A menina enforcou-se.

Ao saberem, os homens
Foram vê-la pendurada"

(pg. 24)

------

"Um poeta e crítico me disse
Que não gosta de minha poesia.
Sim, e daí?

(...)

Não me digam o que já sei
Ou então aquilo que nada muda"

(pg. 93)

------

"Ninguém é livre.

(...)

Há prisão na própria espécie.

(...)

Na intenção diante das palavras.

Livres são as horas"

(pg. 14)

------

"Não, a vida não pode ser isso.
Se olho para a frente - enigma.
Se olho para trás - vidro"

(pg. 92)

------

"Aos dezesseis, descobriu fotografias
De uma mulher que não sua mãe
E jurou ferrar o pai...

Aos dezoito,
Era ela quem estava na cama,
No lugar da mãe"

(pg. 96)

------

"O tempo nos mata
Tal faca que nos corta
(...)
E não posso voltar atrás,
Não posso tornar a nada:
Mais cedo serei pó,
Mais tarde, água"

(pg. 90)

------

"A cada alto relâmpago
Vive-se novo sonho.

Mas o trovão avisa
De seu peso homicida"

(pg. 68)

------

"Só sempre, recortado,
Vi muitas vezes
A noite escoar-se.

(...)

Ainda estou aqui
E ainda aqui sonho-me"

(pg. 43)

------

"Os mendigos fedem.
A vida fede.
Só o universo,
Para além das nuvens,
Perece
De uma limpeza inerme"

(pg. 83)

Comentários

Mayrant Gallo disse…
Emmanuel, meu amigo, obrigado. Você realmente leu meu livro, e eu agradeço por isso. Também esta homenagem. Você é de uma gentileza sem par. Precisamos nos ver mais vezes para adiantarmos estas conversas de livros e filmes. Quanto à foto lá em cima, o crédito é: CosacNaify. Abraço forte! Mayrant.
Anônimo disse…
Da prosa e poética mayrantiana, ainda virão mais e mais farturas desse quilate. Por ora, resta-nos quitar nossa dívida com o mestre, da qual não cansaremos nunca de pagá-la. Abraços.

Thiago Lins
Georgio Rios disse…
Clap! Clap!!! também faço coro aos sinceros elogios dos amigos acima.É um mestre de sutilza singular!!
Renata Belmonte disse…
Assino embaixo do post!
Abraços,
Renata
Lidi disse…
Também assino embaixo! Adoro e admiro muito Mayrant. Ele é o meu eterno mestre! Abraço.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…