Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Meses do ano por Daniel Lima

Daniel Lima interferido por Mirdad


Seguem abaixo trechos do poema "Zodíaco", presente no livro "Poemas", do padre poeta Daniel Lima, um passeio pelos meses do ano:


"
Janeiro vê dezembro
não como um vizinho às suas costas,
já passado e vivido:
Janeiro vê dezembro no futuro.
Depois dos onze meses que ainda faltam
"



"
A alegria que levas de reserva
colheste-a por certo em fevereiro
para queimá-la talvez a vida inteira
"


"
Março vem
quando menos se espera

Março é essa perpétua interrogação
suspensa no ar

Março é a véspera
o dia seguinte
o intervalo
a pausa
a ansiosa espera

Março é o travo
que dá sabor à vida
e elimina
a nauseante doçura original

É preciso traduzir março
para entendê-lo

Ele é o gesto
o código
o enigma
"


                                                         foto: Vasco Cardoso
"
Abril é um modo de sentir
histriônico e vadio

Abril é um palhaço trágico
(como uma tragédia grega
ou um tango argentino)

Abril não dorme hoje nem nunca
porque a vida é urgente
e o sono não compensa
a vida que se perde.

Abril de olhos abertos sempre
"


"
Há lama nas ruas
mas a lama antes foi água
e a água é o princípio

Maio é úmido, é água
Maio é água, será lama
Maio é lama, foi água
A vida, o tempo, as horas
"


"
As lembranças de junho doem em todos
Os amigos, as fogueiras, o fogo, os fogos,
a infância de junho
A clareza de junho
Junho é claro
mesmo quando chove
"

Daniel Lima
(2011/Cepe)


"
Julho tem gosto de vinho
seco rascante e tinto

É o mês da lua
e dos lunáticos

A loucura mora na vizinhança
(todos somos vizinhos
de todos
cada um é louco
e seu vizinho)

E perto da loucura
mora o amor, irmão gêmeo
da loucura
e os mares
e as marés
e os caranguejos

O vinho se derrama da garrafa

A lua é julho

Daí, essa saudade, essa tristeza
sem ter de quê
Juliana tristeza, Juliana saudade,
tênue e fina
mas áspera e rascante
como o vinho de julho
"


"
Agosto é esse leão de olhos abertos
que dorme mas espreita
e destroça e devora
os pedaços de sonhos

Agosto fere
machuca e fere
e a ferida sangra
como o vinho de julho

Agosto é desafio

Mês do cachorro doido
todos temos um cachorro doido
no sangue
todos temos um pouco de agosto
nos desejos

Todos nós somos loucos
a vida toda
ou um dia
"


"
Setembro é frágil como porcelana

Sua fragilidade é sua força
sua secreta força
sua ostensiva beleza

Setembro não desafia: espera
espera e depois sai caminhando
num aparente sossego
(como Inês de Castro)
Setembro é primavera

Setembro é frágil
é cristal, mas é diamante
é resistente pedra
o diamante setembro tudo corta

Não desdenhes jamais da frágil força
dos frágeis

O verdadeiro peso
pesa leve
flutua

E os fortes morrem antes

Setembro é mês da vida
do ar livre
das motocicletas
dos mutucas e macacos babuínos
da doce pátria amada, salve, salve!
Salve a doce pátria amada
dos generais
Salve-a sempre e para
sempre
Deles
Salve-se quem puder
Amém
"


"
Outubro é sagaz e se equilibra
entre uma nuvem e uma estrela
Outubro não cai
desce devagarinho
como quem desce uma escarpa
com cuidado e prudência
mas outubro não cai
desce

Outubro se equilibra
entre os extremos
e se desequilibra
entre as estrelas

Outubro não decide 
faz calor
"


                                                                              foto: Cláudio Rebello
"
Silêncio e paz
a paz de novembro
a paz dos cemitérios

Os mortos de novembro
são mais vivos
que os vivos de janeiro

Mas novembro é uma seta
a seta
o arco
o sagitário

O sagitário aponta
para o futuro
o tempo, a vida
o mistério do tempo
a dança das horas

Novembro é um alquimista
que faz transformações quase impossíveis
"


"
Dezembro é o cântico contido
a vontade de ser que se recolhe
e aguarda o seu momento

Em dezembro os poetas hibernam
como ursos polares
e os filósofos nascem
e tentam dar ordem ao mundo
ah! coitados!

Dezembro é o último
mas haverá o primeiro
outra vez o primeiro
è isto a história

Deus nasceu em dezembro
então dezembro é tudo
Dezembro é festa silenciosa
festa na estrebaria
os teólogos não são convidados
ficam de fora no sereno
dando palpites inúteis

É tempo de esperança
tudo acaba, tudo recomeça
Deus nasce, Deus morre, Deus ressuscita
o tempo continua
a vida é isto

Os homens morrem no mundo todo
E Deus nasce em Belém
isto é dezembro
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…