Pular para o conteúdo principal

Pílulas: Poemas, de Daniel Lima

Daniel Lima (foto: Cepe/Divulgação - interferidas por Mirdad)


Foi através de uma das melhores esquinas já publicadas na revista piauí (leia aqui), em maio de 2012, que eu conheci a figuraça do padre poeta pernambucano, que tinha falecido um mês antes dessa publicação. Corri atrás de sua obra e comprei a compilação de 400 páginas intitulada "Poemas", lançada em 2011 pela Cepe (Companhia Editora de Pernambuco), que foi premiado em sua categoria pela Fundação Biblioteca Nacional no mesmo ano do lançamento. Tem uma matéria breve da Bravo aqui. Não gostei da primeira parte, mas quando o poeta abandona a forma e os títulos, partindo pro verso livre, a poesia acontece. Aproveitei a leitura para pilular o livro, que você pode conferir nos links abaixo.


Parte I
Leia aqui
"Nada aprendi na vida senão esta lição: que sou provisório e de passagem"



Parte II
Leia aqui
"É na queda que se revela a escondida fraqueza do homem essencial. É no fundo do abismo que se descobre a força ausente. É na desnudez da morte que se sente o impasse da vida, a fugacidade do tempo e o mistério das horas transcorridas"


Parte III
Leia aqui
"Não é o mar que amo, é o infinito que ele sugere, são as paixões que lembra, é a força que suscita - é isto que amo no mar, não o mar, mas o que ele representa, a paisagem interior aonde ele aponta, o mar em mim, as águas reprimidas no coração"


Parte IV
Leia aqui
"A vida é mais pressentimento, antecipação, sonho de profeta alucinado e sonâmbulo, que acontecida visão de olhos reais e limpos. É ser navio ao mar, mas é antes ser mais em tempestade que aos rochedos atira o desamparado navio; mas é ser antes a própria tempestade que açoita o mar, jogando-o aos rochedos; mas é ser antes rochedo aonde se esbatem as agitadas ondas e os náufragos que sobram desse açoite e os restos do navio"

Comentários

Ana Gilli disse…
Doses certeiras de poesia que embelezaram meu dia. Obrigada por compartilhar, querido.
Mirdad disse…
Compartilhe por aí, querida!

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…