Pular para o conteúdo principal

Vamos ouvir: Mestiça, de Jurema Paes

Mestiça (2014) - Jurema




Não consegue visualizar o player? Ouça aqui

Release disponível no site da cantora:

"
Mestiça

"O termo mestiço aqui não remete a cor, mas a modos de estruturação barroco-mestiços que acarretaram, pela confluência de materiais em mosaico, bordado e labirinto, outros métodos e modos de organização do pensamento. Tais modos não binários desconhecem o dilema entre identidade e oposição: a mestiçagem se constitui como uma trama relacional, conectiva, cujos componentes não remontam saudosa e solitariamente a instâncias aurorais perdidas, mas sim festejam o gozo sintático dessa tensão relacional que se mantém como ligação móvel em suspensão." (PINHEIRO, Amálio. América Latina. Barroco, Cidade, Jornal. São Paulo: Intermeios, 2013, p. 94)

O Disco

Mestiça foi produzido por Marcos Vaz e Co-produzido por Cássio Calazans, tem arranjos dos produtores citados e de Leitieres Leite, Lena Bahule e Léo Caribé Mendes. Tem participações especiais de Chico César, Zeca Baleiro e Tiganá Santana. O repertório do Álbum está conectado à atmosfera da trova e da canção Brasileira, canções de Elomar Figueira Mello, Tiganá Santana, Roberto Mendes, Fábio Paes, Enoque de Oliveira, Cássio Calazans, Alexandre Processo, Patrício Hidalgo, Zeca Baleiro e Marcos Vaz.

Ficha Técnica

Direção Artística: Marcos Vaz
Produzido por Marcos Vaz e Coproduzido por Cássio Calazans
Produção Executiva: Jurema Paes
Engenheiros de Som: Otávio Carvalho, Ingo André, Rovilson Pascoal, Ricardo Camera. 
Mixagem: Mikael Gomilsek, Marcos Vaz e Victor Rice
Arranjos: Cássio Calazans, Marcos Vaz, Lena Bahule, Léo Mendes, Tiganá Santana e Letieres Leite.
Edição Vocal de todas as faixas – callazanstudio@me.com
Foto da Capa: Jorge Bispo
Arte Capa: Janara Lopes
"

Comentários

Paulo Horta disse…
Tive a oportunidade de ouvir o CD somente há pouco tempo, mas posso afirmar com absoluta certeza: é lindo.

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

O fim do Blog do Ël Mirdad

Esta é a última postagem do Blog do Ël Mirdad (que um dia já foi Farpas e Psicodelia). Ao fim, foram 1.083 postagens em 8 anos de atividade, de 2009 a 2016. Divulguei o trabalho de muitos artistas, nas áreas da música, literatura e audiovisual (eventos, shows, quadrinhos, etc.), e também o meu trabalho como compositor, escritor e produtor cultural. Das seções que fiz, a que mais me orgulhou foi Leituras. Abaixo, seguem duas imagens com estatísticas que o próprio Blogger oferece, apuradas em 22 de dezembro. O motivo para o fim desse blog é que não assinarei mais como Emmanuel Mirdad, e não tem lógica manter um canal de comunicação vinculado a esse nome.


Algum dia farei outro blog? Acho difícil. Caso faça, divulgarei apenas o meu trabalho como escritor, o único que continua, assinando, a partir de 2017, como Emmanuel Rosa.


Muito obrigado pela sua audiência. E espero que o Google mantenha esse acervo ativo, para quando você quiser voltar por aqui e ler (ou ouvir) algo que lhe agradou, d…