Pular para o conteúdo principal

Composições de Mirdad: 8/8/88 - The Orange Poem


Primeira faixa que destaca o piano na Orange Poem, representa bem sua face progressiva, em três atos: revelação (psicodelia com piano, guitarras e baixo), introspecção (piano e voz em tom menor) e elevação (piano, voz, sanfona e guitarra portuguesa em tom maior, alegre). Destaque para o sentimento do piano de Tadeu Mascarenhas e a bela interpretação do cantor Teago Oliveira. Os versos de Emmanuel Mirdad trazem a urgência da juventude em viver o máximo que puder, enquanto o tempo não traz o envelhecimento inevitável. Para ouvir, basta clicar no botão laranja de "play" abaixo. Acompanhe The Orange Poem aqui.



Não consegue visualizar o player? Ouça aqui


8/8/88
(Emmanuel Mirdad)
BR-N1I-14-00017

Have as much sex as your breath stands
It's not allowed to be immoral, but it's nice destroying the forbidden
To be dangerous is fun and hurting ethics is fame
People underneath their masks really like this
Everybody would like to fill their veins at least in one day of fury

Death is the door right next to the room
And you drown in demands, think you’re imperfect
Damn the gossips, moral and logic
The fear is being a puppet of foolish’s satisfaction
Who in this world of mistakes is free from accepting flaws?

How I’d like to be the lord of the clocks
Control the time and make it life, not death
Happiness with no consequence, sex and wine
A getting old of mundane discoveries with no punishment
Changing life into blast
And death in silence, just that,
Oh young poet’s song!


Faixa 01 - EP Crowd (2014) | Composta e Produzida por Emmanuel Mirdad | Teago Oliveira - voz | Tadeu Mascarenhas - piano, guitarra portuguesa e sanfona | Marcus Zanom - guitarra | Fábio Vilas-Boas - guitarra | Artur Paranhos - baixo | Gravado, mixado e masterizado por Tadeu Mascarenhas no Casa das Máquinas, Salvador-BA | Encarte: Glauber Guimarães


Cifra digitalizada da canção "8/8/88"


Composta por Emmanuel Mirdad em 22/11/2005.

Letra original das canções de Emmanuel Mirdad: "Dez Anos no Túnel" de 8/8/1998; "Senhor dos Relógios", de setembro de 1998; e "Young Poet's Song", de 07/05/2001, 26/03/2002 e 04/12/2003.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

Informações sobre o livro (trechos, release, fotos, crítica, etc.) aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)

Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como qu…

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques em O livro das semelhanças

Ana Martins Marques (foto: Rodrigo Valente)

Coleção
Ana Martins Marques

                                        Para Maria Esther Maciel

Colecionamos objetos
mas não o espaço
entre os objetos

fotos
mas não o tempo
entre as fotos

selos
mas não
viagens

lepidópteros
mas não
seu voo

garrafas
mas não
a memória da sede

discos
mas nunca
o pequeno intervalo de silêncio
entre duas canções


--------


Ana Martins Marques

Combinamos por fim de nos encontrar
na esquina das nossas ruas
que não se cruzam


--------


Mar
Ana Martins Marques

Ela disse
mar
disse
às vezes vêm coisas improváveis
não apenas sacolas plásticas papelão madeira
garrafas vazias camisinhas latas de cerveja
também sombrinhas sapatos ventiladores
e um sofá
ela disse
é possível olhar
por muito tempo
é aqui que venho
limpar os olhos
ela disse
aqueles que nasceram longe
do mar
aqueles que nunca viram
o mar
que ideia farão
do ilimitado?
que ideia farão
do perigo?
que ideia farão
de partir?
pensarão em tomar uma estrada longa
e não olhar para tr…