Pular para o conteúdo principal

Cinco poemas e três passagens de Ana Martins Marques no livro Da arte das armadilhas

Ana Martins Marques (foto daqui)


Espelho
Ana Martins Marques

                                     d’après e. e. cummings

Nos cacos
do espelho
quebrado
você se
multiplica
há um de
você
em cada
canto
repetido
em cada
caco

Por que
quebrá-
-lo
seria
azar?


--------


Teatro
Ana Martins Marques

Certa noite
você me disse
que eu não tinha
coração

Nessa noite
aberta
como uma estranha flor
expus a todos
meu coração
que não tenho


--------


Penélope
Ana Martins Marques

Teu nome
espaço

meu nome
espera

teu nome
astúcias

meu nome
agulhas

teu nome
nau

meu nome
noite

teu nome
ninguém

meu nome
também


--------


Caçada
Ana Martins Marques

E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?

A pressa
da presa
em
perder-se


--------


A festa
Ana Martins Marques

Procuramos um lugar
à parte.
Como se estivéssemos
em uma festa
e buscássemos um lugar
afastado
onde pudéssemos
secretamente
nos beijar.
Procuramos um lugar
a salvo
das palavras.

Mas esse
lugar
não há.


--------


"Um dia vou aprender a partir
vou partir
como quem fica

Um dia vou aprender a ficar
vou ficar
como quem parte"


"falamos sobre essa casa
implantada nas falésias
aberta
aos gritos do mar

falamos
dessa casa
cada vez mais improvável
onde nenhum de nós vai morar

voltamos em silêncio
eu pensando em certos bichos
que só se acasalam
com dificuldade"


"Faca

Sua fria elegância
não escamoteia
o fato:
é ela que melhor se presta
ao assassinato"




Presentes no livro de poemas Da arte das armadilhas (Companhia das Letras, 2011), páginas 22, 35, 45, 41 e 75, respectivamente, além dos trechos dos poemas Três postais (p. 61), Falésias (p. 33) e Talheres (p. 16),
presentes na mesma obra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O grito do mar na noite no site do jornal Rascunho

Resenha do livro O grito do mar na noite (Via Litterarum, 2015), publicada no Rascunho #192, de abril de 2016, por Clayton de Souza, disponível para leitura no site do jornal.

Leia aqui

A mesma resenha na versão impressa do jornal aqui

Foto do autor: Sarah Fernandes

Melhores do jornal Rascunho #209

A multiplicidade da leveza e do riso Milan Kundera é capaz de unir em sua ficção ensaio irônico, narrativa, fragmentos autobiográficos, fatos históricos, arroubos de fantasia [Vivian Schlesinger] Leia aqui
-----

Resgatando obras Jamil Snege e a potência lírica de "O jardim, a tempestade" [Nelson de Oliveira] Leia aqui
-----

Clarice no espelho O leitor corre sérios riscos diante do texto de Clarice Lispector [José Castello] Leia aqui
-----

To be or not to be: that is the question (Nova proposta de tradução) [Evando Nascimento] Leia aqui
-----

A forma deformada Os poemas de "A retornada", de Laura Erber, parecem dignificar a experiência traumática [Rafael Zacca] Leia aqui
-----

No jardim das delícias Bissexualidade, preconceito e consciência de classe e de gênero marcam a escrita autobiográfica de Katherine Mansfield [Giselle Porto] Leia aqui